Home Saúde Sensação de estômago vazio pode ser Fome Oculta, saiba identificar esse mal

Sensação de estômago vazio pode ser Fome Oculta, saiba identificar esse mal

17158
Sensação de estômago vazio pode ser Fome Oculta, saiba identificar esse mal
Mal afeta mais de 2 bilhões de pessoas no mundo

A Fome Oculta nada tem a ver com aquela sensação de estômago vazio inexplicável, como o nome parece sugerir, e está associada à qualidade, e não à quantidade, do que se come no dia a dia, um mal que afeta 2 bilhões de pessoas no mundo, segundo estimativas do Instituto Internacional de Pesquisa de Política Alimentar, dos Estados Unidos. “O problema é resultado de uma alimentação pobre em vitaminas e minerais, micronutrientes necessários para manter o organismo a pleno vapor“, resume o nutrólogo Paulo Giorelli, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

De forma silenciosa, essa síndrome atinge homens e mulheres de todas as idades e classes sociais, sem emitir nenhum tipo de sinal. “Quando falta glicose no sangue, logo bate a fome e a gente procura algo gostoso para comer. Só que, na insuficiência dos micronutrientes, o organismo não se comporta desta forma. Ninguém sente vontade de ingerir zinco, ferro ou selênio”, explica Giorelli.

Assim, em geral, o organismo já está vulnerável quando surgem sinais de déficit. Um consumo insuficiente de ferro, por exemplo, com o tempo, leva a cansaço e desânimo, culminando em um quadro de anemia. Dores musculares e cãibras constantes acendem o sinal amarelo para a falta de potássio, cálcio e magnésio. Já o ácido fólico regula a comunicação entre os neurônios e sua escassez pode estar por trás da fadiga mental e da falta de concentração.

O desconhecimento ameaça piorar ainda mais as coisas. Em um levantamento realizado sobre os impactos da rotina moderna na busca pela vida saudável, 83% dos entrevistados admitiram nunca ter ouvido falar de fome oculta. Mais, 30% não têm ideia se sofrem de alguma carência alimentar. Desta forma, quando o corpo começa a dar os primeiros sinais da deficiência, já está vulnerável a problemas que atrapalham o dia a dia.
Conheça abaixo cinco dos sinais que podem ajudar identificar a fome oculta.

Olho nas Cores
Para prevenir carências de micronutrientes, a estratégia número 1 é caprichar à mesa. O prato ideal tem carboidratos integrais, proteína magra e fartura de vegetais. “Tem de apostar na variedade de alimentos para tirar proveito de uma gama maior de benefícios“, ensina a nutricionista Mariana del Bosco, de São Paulo. As cores ajudam a identificar cada bônus. O betacaroteno, que dá o tom da cenoura e da abóbora, por exemplo, se transforma no organismo em vitamina A, que é essencial para a visão. As folhas de tom verde-escuro garantem uma longa lista de substâncias benéficas, como vitaminas A, C e do complexo B, além de cálcio, magnésio e ferro.

Táticas Personalizadas
Adicionar azeite a vegetais é uma boa alternativa, isso porque a gordura “boa” colabora no transporte e na absorção dos micronutrientes.
Mas, para garantir distância das estatísticas da fome oculta, recomenda-se buscar orientação especializada. Assim, necessidades individuais serão avaliadas e as táticas à mesa, personalizadas. A fórmula básica do comer direito já é bastante conhecida, mas, ao fazer as escolhas cotidianas, é importante levar em conta fatores como peso, altura, idade, frequência e intensidade da atividade física que se pratica. Até os minutos que ficamos ao sol faz diferença, já que a exposição é parceira na aquisição da vitamina D e na fixação do cálcio nos ossos.

Queda de cabelo e unhas fracas
Quando faltam vitaminas A, C e E, importantes parceiras para a regeneração de tecidos, os fios enfraquecem, a pele fica áspera e as unhas, quebradiças.

Esgotamento físico
Cansaço, dificuldade de sair da cama, falta de ânimo para a prática de exercícios físicos. Sintomas assim, muitas vezes, estão associados a uma alimentação pobre em ferro. O consumo insuficiente do mineral, com o tempo, leva a fadiga e desânimo, culminando em um quadro de anemia. Diminua esse risco consumindo carne magra, folhas verde-escuras e grãos integrais. A falta de vitamina do complexo B também pode desencadear o problema. Por isso, é preciso reforçar a presença de leite, peixe, ovos e leguminosas no cardápio.

Fadiga mental
O ácido fólico regula a comunicação entre os neurônios e sua escassez pode estar por trás da dificuldade de raciocínio e falta de concentração. Forrar o prato de brócolis, espinafre, agrião e rúcula, combinados com grãos, é boa estratégia para garantir mais agilidade mental.

Cãibras
Dores e contrações musculares constantes acendem o sinal amarelo para a falta de minerais. Frutas como manga e banana trazem boa quantidade de potássio. Castanha-do-pará e cereais integrais são ótimas fontes de magnésio. O cálcio está em leite e derivados, além de peixes, como sardinha e salmão. Sem esquecer de que os minutos que se fica ao sol faz diferença, já que a exposição é parceira na aquisição da vitamina D e na fixação do cálcio nos ossos.

Baixa imunidade
Para melhorar as defesas, é preciso calibrar melhor a ingestão de vitamina C, presente em frutas como laranja e caju, além de tomate e brócolis. O consumo de zinco e selênio também ajuda a manter o organismo livre de gripes e resfriados constantes. Aveia e cogumelo são ricos no primeiro mineral; castanha-do-pará, por sua vez, carrega bastante selênio.