Home + Notícias da Região Piloto campineiro João Pedro Maia é o mais rápido nos testes da...

Piloto campineiro João Pedro Maia é o mais rápido nos testes da Fórmula 4 FIA Argentina

152
Teste na F4 FIA/ João Pedro e seu preparador Roberto Souza Silveira

O piloto campineiro João Pedro Maia foi o mais rápido nos dois testes que realizou na Fórmula 4 Argentina, vinculada à Federação Internacional de Automobilismo (FIA), em dezembro de 2019 e janeiro de 2020. Maia concedeu uma entrevista para falar sobre como foi a transição do kart (modalidade na qual pilotou até 2018) para a F4.

O piloto ainda contou como tem mantido sua preparação desde que o campeonato foi suspenso, no início do mês de março, por conta da pandemia de Covid-19. Confira:

Como foram seus dois testes na F4 Argentina, vinculada à Federação Internacional de Automobilismo (FIA), ocorridos em dezembro de 2019 e janeiro deste ano?

Meus dois únicos testes foram excelentes. Tanto no primeiro quanto no segundo a minha adaptação foi muito rápida e eu cravei tempos muito bons, inclusive foram os mais rápidos, até agora, entre os meus adversários, o que me deixa muito feliz.

Quais as principais diferenças que pode apontar entre o kart e o Mygale M14 F4 (carro da F4)?

A principal diferença do kart para o carro de Fórmula 4 eu acho que é a aproximação de curva e a retomada. Isto é, o começo da curva, na frenagem, e a retomada da aceleração. São diferenças muito bruscas, porque você chega muito rápido, freia muito dentro (da curva) e sai da curva com muita potência.

A FIA passou a organizar as etapas necessárias para que um piloto chegue até a Fórmula 1, desde 2014. Então, a F4 foi um caminho natural para você. Mas por que a escolha pela F4 Argentina e não os campeonatos de F4 europeus?

Eu escolhi a Fórmula 4 Argentina e não a F4 europeia porque, primeiro, a F4 Argentina é igual a todas do mundo, todas são da FIA, então, a pontuação para obter a superlicença, que abre caminho para a Fórmula 1, é a mesma. E, como é o primeiro ano da F4 Argentina em corridas, o custo é bem menor. A F4 Argentina também está aqui, ao lado de casa, além de ser bem mais acessível para mim.

Além dos treinos físicos e em pista, com o kart e o carro da Fórmula Vee, tem feito algo a mais para se manter, até a abertura efetiva do campeonato da F4 FIA Argentina?

Eu tenho treinado no simulador. Porém, os treinos em pista são mais prevalentes, mais importantes, por isso, são os que pratico mais. Também voltei às competições na Fórmula Vee, na semana passada, para manter minha preparação até a definição de uma nova data de abertura do campeonato na F4 Argentina.

Fui muito bem, nos treinos e nas provas, terminei como campeão nas duas etapas do fim de semana (14 e 15/08) e trouxe para casa dois troféus importantes, que homenagearam o comissário da Federação de Automobilismo de São Paulo, Marcos Ramaciotti, e o chefe da equipe Copersucar, Ricardo Divila, que, infelizmente, faleceram em abril. Foi muito bom retornar para essa adrenalina.