Home + Notícias da Região Dia do Voluntário: como a pandemia mudou o dia a dia das...

Dia do Voluntário: como a pandemia mudou o dia a dia das pessoas que se doam ao Boldrini Campinas

206

28 de agosto é o Dia Nacional do Voluntariado; as pessoas que são voluntárias doam seu tempo, seu trabalho para quem necessita, com muito carinho, solidariedade e responsabilidade. No Centro Infantil Boldrini em Campinas, referência no tratamento de câncer pediátrico e doenças hematológicas, o setor está presente desde o início de sua história. Pela primeira vez em 42 anos de trabalho, devido à pandemia do coronavírus, os corredores e salas do hospital estão mais vazios sem a presença dos homens e mulheres de jaleco azul, que caracterizam os voluntários na entidade.

>> Cerca de 500 voluntários se doam para o hospital no dia a dia, em várias frentes, como acolhimento da chegada das famílias, internação, acompanhamento escolar, artesanato e costura, eventos, capelania, oficinas de capacitação, recreação, na loja (Vila Boldrini) e campanhas.

Dona Amália Monteiro, conhecida carinhosamente como ‘Dona Nena’, aos 89 anos, é a voluntária mais antiga do hospital, começou logo depois de sua fundação há 42 anos. Participante do Grupo de Artesanato e Costura, ela conta que nunca ficou tanto tempo sem ir ao hospital e que, apesar dos quase cinco meses de distanciamento social, as cerca de 20 voluntárias de seu grupo deram um jeito de se adaptar à pandemia.

Há 23 anos como voluntária no Boldrini, Liliane Maria Sangion Forti, hoje presidente da diretoria do voluntariado, conta que sua ligação é muito forte como hospital e lamenta o distanciamento do trabalho voluntário. “Fui fazer uma doação de brinquedos educativos dos meus filhos e quando cheguei lá, na antiga casa de apoio, fiquei tocada e entrei para a recreação da casa de apoio e nunca mais saí. São cinco meses sem ir ao hospital, a gente sente falta, mas tem que pensar em manter o local o mais protegido possível.”

Liliane explica que o trabalho dos voluntários é muito próximo dos pacientes e muito mais das famílias. “As famílias precisam de ajuda, carinho e atenção e o trabalho dos voluntários é essencial durante o tratamento das crianças. Estamos trabalhando à distância. Por conta da pandemia, não tem como irmos até o hospital, mesmo porque o acolhimento é um trabalho de corpo a corpo com pacientes e familiares”, explica.

Voluntários levam acolhimento e alegria ao hospital

A importância do voluntariado do Centro Infantil Boldrini é tão grande, que ex-voluntários e voluntários participam na diretoria executiva. Marta Balotin é uma delas e conta que mesmo deixando de ser voluntária em uma das frentes de atuação direta com famílias e pacientes, não se desligou do hospital.

O trabalho do voluntariado na instituição não faz falta apenas para quem o pratica. Médicos, pacientes e familiares vêm sentindo, e muito, a ausência dessas centenas de pessoas, que animam, acolhem e levam aconchego. Segundo a médica hematologista, Dra. Mônica Veríssimo, os voluntários fazem parte da alma do hospital. “Eles nos trazem alegria, esperança. Eles fazem a ponte entre os pacientes e os profissionais da saúde. Estão sempre à disposição, no dia a dia, e nos ajudam muito no cuidado com os nossos pacientes”, avalia.

Sempre comemorado com muita festa, o Dia do Voluntariado neste ano vai ser diferente no Boldrini. As homenagens, serão virtuais. Mas, em tempo de distanciamento social, a certeza da importância e o reconhecimento da necessidade desse trabalho tão altruísta é cada vez mais real.

Sobre o Centro Infantil Boldrini

Maior hospital especializado na América Latina, localizado em Campinas, que há 42 anos atua no cuidado a crianças e adolescentes com câncer e doenças do sangue. Atualmente, o Boldrini trata cerca de 10 mil pacientes de diversas cidades brasileiras e alguns de países da América Latina, a maioria (80%) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um dos centros mais avançados do país, o Boldrini reúne alta tecnologia em diagnóstico e tratamento clínico especializado, comparáveis ao Primeiro Mundo, disponibilidade de leitos e atendimento humanitário às crianças portadoras dessas doenças. www.boldrini.org.br