Home Entretenimento e Eventos Orquestra Filarmônica Jovem de Boston se apresenta em Campinas

Orquestra Filarmônica Jovem de Boston se apresenta em Campinas

1626
Orquestra Filarmônica Jovem de Boston em Campinas, Orquestra Filarmônica Jovem de Boston se apresenta em Campinas
Durante evento será realizado workshop destinados a jovens músicos e estudantes de música

Considerada uma das melhores orquestras jovens do mundo, a Orquestra Filarmônica Jovem de Boston se apresenta em Campinas durante turnê nacional, no Teatro Carlos Gomes no dia 22 de junho.

O concerto terá participação da pianista Anna Fedorova como solista do Concerto Nº 2 de Rachmaninov. A programação consiste na “Abertura de Os Mestres Cantores de Nuremberg”, de Wagner, a “Sinfonia do Novo Mundo”, de Dvorák, e o “Concerto Nº 2 para piano e orquestra”, de Rachmaninov, tendo como solista a pianistaucraniana Anna Fedorova.


Adicionalmente ao concerto, será realizado workshop com o maestro Benjamin Zander e instrumentistas da orquestra, destinados a jovens músicos e estudantes de música.

Sobre a Orquestra Jovem
A Orquestra Filarmônica Jovem de Boston foi criada por Benjamin Zander, sob os auspícios da Filarmônica de Boston. A orquestra reúne jovens talentosos e entusiasmados músicos com idades entre 12 e 21 anos. Para os membros mais jovens, é a chance de colaborar com alunos mais velhos, já em carreira profissional. Para os mais maduros, a oportunidade de treinar e orientar as futuras gerações. O foco do trabalho é o grande repertório orquestral, desenvolvido em uma comunidade musicalmente dinâmica e intelectualmente desafiadora.

Serviço
Orquestra Filarmônica Jovem de Boston
Local: Teatro Carlos Gomes
End.: Rua Conselheiro Gomide, 62 – Vila Industrial
Data: 22 de junho (sábado)
Horário: 20h00
Ingresso: De $10,00 a 40,00
Comprar ingresso pela internet



Sobre as peças do programa
Abertura de Os Mestres Cantores de Nuremberg
“Os Mestres Cantores de Nuremberg” (Die Meistersinger von Nürnberg), obra de 1867, é uma das últimas óperas do compositor alemão Richard Wagner. A Abertura, peça orquestral que contém os temas principais, foi finalizada muito antes da ópera e apresentada várias vezes em concertos. Ela começa início com uma versão do tema principal (apresentado de diferentes formas ao longo da ópera) e inclui outro dos temas conhecidos, a lírica “Prize Song”.

Concerto Nº 2 para piano e orquestra em dó menor, Op. 18
O “Concerto Nº 2” de Sergei Rachmaninov é em todo o mundo um dos favoritos da literatura para piano e orquestra – tanto que foi usado na trilha sonora de vários filmes e vários de seus temas aproveitados em músicas populares. A obra foi fundamental para a continuidade o sucesso da carreira de Rachmaninov como compositor. Foi com ele que o músico pôde superar um período em que teve sua confiança criativa seriamente abalada e caiu em depressão – devido às impiedosas críticas que recebeu em 1897, quando da estreia de sua primeira sinfonia, em 1897. Escrito em 1901, depois de Rachmaninov passar por um longo e bem-sucedido tratamento psicológico com o Dr. Nicolai Dahl, músico amador e praticante de hipnotismo, o “Concerto Nº 2” é uma peça que se desenvolve plena de maravilhosos diálogos entre piano e orquestra e de lindas melodias, que envolvem e seduzem o ouvinte até um final triunfante.

Sinfonia Nº 9 em mi menor, Op. 95, “Sinfonia do Novo Mundo”
A “Sinfonia Nº 9” de Antonín Dvorák foi composta no período em que o compositor tcheco viveu nos Estados Unidos e foi diretor do Conservatório de Música de Nova Iorque. O mais popular dos trabalhos orquestrais do compositor, a sinfonia teve estreia em 1893, no Carnegie Hall, em evento que integrou as comemorações do quarto centenário da descoberta da América – daí o fato de ter recebido o título de “Sinfonia do Novo Mundo”. A obra foi recebida com grande entusiasmo por público e crítica. Um dos aspectos mais destacados foi a música de nítida coloração norte-americana. Dvorák a desenvolveu em torno de inúmeros e inspirados temas originais, nos quais mistura elementos de canções populares dos negros e dos indígenas norte-americanos e temas da música folclórica tcheca. O segundo movimento, “Largo”, de tempo muito lento e bela melodia, é o mais célebre da sinfonia.