Home Destaques Crise no Brasil faz crescer demanda por cartão pré-pago de saúde para...

Crise no Brasil faz crescer demanda por cartão pré-pago de saúde para consultas médicas

1327

 

Muitos ex-usuários de planos de saúde particular estão aderindo a uma nova modalidade de plano pré-pago, em que o cliente faz uma determinada recarga em seu cartão para usar os benefícios do convenio. Com mensalidades a partir de R$ 19,90, o cliente poderá ter acesso a consultas médicas e exames a preços reduzidos.




Assim como ocorre com cartões telefônicos pré-pagos, os de saúde também funcionam por meio de uma recarga prévia. Para utilizá-lo, o consumidor precisa adquirir o cartão, pagando uma taxa de adesão, que varia de acordo com o plano. O sistema prevê recargas conforme o valor da consulta ou do exame, nos postos credenciados.

De acordo com a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) 2,6 milhões de brasileiros deixaram de ter acesso a planos de saúde nos últimos dois anos. De acordo com empresas desse segmento a modalidade é uma alternativa entre os planos particulares e o SUS, que apesar de ter bons médicos e equipamentos, não tem estrutura para suportar a demanda. Em geral, o usuário paga uma mensalidade e insere um valor para usar em gastos com consultas médicas e exames laboratoriais que tem um valor diferenciado.

Para reduzir o valor das consultas e exames, as empresas que oferecem o cartão fecham acordos com clínicas e laboratórios. Uma consulta médica, que custa em média R$ 250,00 no atendimento particular, por exemplo, pode sair por R$ 60,00 com o cartão pré-pago.

>> Vale lembrar que o cartão pré-pago não é um plano de saúde, que segue regulamentação da ANS, mas um meio de pagamento. Ele serve para pagar consultas e exames, mas não inclui, por exemplo, atendimento em emergências e internações. Mas oferece terapias estéticas, massagem, podologia, serviços ligados ao bem-estar.

Como funciona

O que é?
É semelhante aos cartões pré-pagos de telefonia. O cliente insere um valor e, com o crédito, paga por serviços na área de saúde. Não são planos de saúde, que seguem regulamentação da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).




O que oferecem?
Consultas médicas e exames laboratoriais. O pacote pode incluir ainda descontos em farmácias, atendimento odontológico e terapias alternativas. Não oferecem, por exemplo, internação e cirurgias.

Quais são os custos?
É cobrada uma mensalidade. Para pagar a consulta ou exame, o cliente realizada uma recarga. Nessa operação, podem ser cobradas taxas.

Quem pode usar?
O titular pode incluir cônjuge e filhos e, em alguns casos, os pais.

Onde pode ser adquirido?
Pelo site ou telefone da administradora do cartão ou em redes de varejo parceiras (ex. Tem Saúde e Vale Saúde Sempre).

Defesa do consumidor
Sonia Amaro, advogada e representante da Proteste, afirma que o cartão pré-pago pode ser vantajoso diante das mensalidades elevadas dos planos de saúde e das dificuldades para conseguir atendimento no SUS, mas o consumidor precisa tomar alguns cuidados antes de aderir à modalidade. “Ele acha que está com um plano de saúde, mas não há regulamentação”, afirma.

A advogada recomenda uma avaliação cuidadosa da rede credenciada, locais de atendimento e consultas e exames oferecidos. “Ele precisa avaliar todos os serviços oferecidos, taxas cobradas e os custos de consultas e exames para decidir se vale a pena desembolsar esse valor”.