Home Esportes Mundial de Judô em Budapeste, na Hungria

Mundial de Judô em Budapeste, na Hungria

3610

Mundial de Judô em Budapeste, na Hungria, Mundial de Judô em Budapeste, na HungriaChega ao final neste domingo 3 de setembro o Mundial de Judô disputado em Budapeste, na Hungria. A Federação Internacional de Judô (FIJ) anunciou a participação de 794 competidores de 134 países diferentes.

A delegação brasileira foi formada por 21 atletas, sendo três deles – Eduardo Katsuhiro Barbosa (73kg), Eduardo Bettoni (90kg) e Beatriz Souza (+78kg) – participam apenas para a competição por equipes mistas, que ocorre no último dia do torneio. Esta será a primeira vez que este tipo de competição acontecerá em um evento oficial da Federação Internacional de Judô. Nela, cada time será formado por seis judocas nos pesos 57kg, 70kg, +70kg, 73kg, 90kg e +90kg, mesmo modelo aprovado pelo Comitê Olímpico Internacional para os Jogos de Tóquio 2020.




Resumo Mundial de Judô 2017
Chegou ao fim neste domingo (03-set) o Mundial de Budapeste, na Hungria. Na primeira edição do torneio após os Jogos Rio 2016, a Seleção Brasileira teve saldo positivo, terminando na 4ª colocação geral, com um ouro (Mayra Aguiar), uma prata (David Moura) e dois bronzes (Rafael Silva e Érika Miranda), atrás apenas de Japão, que sobrou, com sete ouros, quatro pratas e um bronze. A França ficou em segundo (dois ouros e um bronze), e a Mongólia, em terceiro (um ouro, uma prata e quatro bronzes). Além disso, o Brasil ficou com a medalha de prata na inédita competição por equipes mistas, formato de disputa que estará no programa olímpico Tóquio 2020.

O Mundial ficou marcado pelo oitavo título da lenda francesa Teddy Riner na categoria pesado (+100kg) – ele ainda tem outro mundial, um absoluto em 2008. A supremacia aumentou: agora ele tem 134 vitórias consecutivas. O lutador não é derrotado desde o Mundial Absoluto de 2010, no Japão. Naquela ocasião, ele perdeu a final para Daiki Kamikawa. A “ressaca olímpica” também chamou atenção. Nenhum campeão da Rio 2016, com exceção de Riner, conseguiu subir ao topo do pódio.

Campanha brasileira supera Astana 2015 e Chelyabinsk 2014
Com cinco medalhas, a campanha brasileira em Budapeste supera as duas últimas edições. No Mundial de Astana 2015, o Brasil teve dois bronzes, com Érika Miranda (52kg) e Victor Penalber (81kg). Em Chelyabinsk 2014, teve um ouro, com Mayra Aguiar (78kg); uma prata, com Maria Suelen Altheman (+78kg); e dois bronzes, com Érika Miranda (52kg) e Rafael Silva (+100kg).

As duas melhores participações do Brasil foram no Rio. Qualitativamente, foi em 2007, quando saíram três ouros: João Derly (66kg), Tiago Camilo (81kg) e Luciano Corrêa (100kg), além do bronze de João Gabriel Schilittler (+100kg). Quantitativamente, foi na edição de 2013: o ouro de Rafaela Silva (57kg), pratas de Érika Miranda (52kg), Maria Suelen Altheman (+78kg) e Rafael Silva (+100kg), e bronzes de Sarah Menezes (48kg) e Mayra Aguiar (78kg).

 




Medalha de ouro
Ao conquistar o bicampeonato mundial na categoria meio-pesado, a gaúcha Mayra Aguiar não só igualou o feito de João Derly, campeão mundial no Cairo, em 2005, e no Rio, em 2007, como também se tornou a maior medalhista do Brasil em Mundiais. Ela venceu em Chelyabinsk (2014) e em Budapeste (2017), foi prata em Tóquio 2010, bronze em Paris 2011 e também no Rio 2013.

O Brasil ainda teve o bronze de Érika Miranda no 52kg. Na realidade, foi o primeiro pódio brasileiro em Budapeste. Se no Maracanãzinho no Mundial de 2013 no Rio de Janeiro ela teve de se contentar com a prata ao perder para Majlinda Kelmendi na final, na Hungria, deu o troco na campeã olímpica e bicampeã do mundo e saiu vitoriosa da disputa do 3º lugar. A brasiliense foi ao pódio nos últimos quatro mundiais (2013, 2014, 2015 e 2017), acumulando uma prata e três bronzes.

Bruxa solta para os campeões olímpicos da Rio 2016
O torneio se mostrou complicado para os campeões olímpicos da Rio 2016. Com exceção de Riner, nenhum foi vencedor nas disputas individuais em Budapeste. Nomes como a brasileira Rafaela Silva (57kg), Majlinda Kelmendi (52kg), do Kosovo, e o italiano Fabio Basile (66kg).